Webmail

CAEMA discute tecnologias para medição de grandes consumidores

Funcionários da Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (CAEMA) participaram, nesta quarta-feira (02), de discussões sobre novas tecnologias disponíveis para medição de grandes consumidores. Entre elas, foi apresentado e discutido o uso de medidores eletromagnéticos de vazão equipados com baterias que permitem maior confiabilidade na relação consumo custo.

A apresentação foi feita por um técnico da empresa especializada neste tipo de tecnologia, a Isoil Lamon Indústria de Equipamentos e Serviços de Instrumentos Ltda, localizada em Minas Gerais.  De acordo com o representante da empresa, Gustavo Lamom, os tipos de aparelhos apresentados aos engenheiros daqui surgem como uma das ferramentas mais adequadas para que se possa fazer a medição da vazão deste tipo de consumidor, investimento que, segundo ele, converte-se rapidamente em ganho de receita para a empresa.

“Os medidores eletromagnéticos de vazão a bateria trabalham com a Lei de Farad, onde o fluído que passa por dentro do medidor, gera uma tensão induzida em dois eletrodos de forma proporcional a velocidade da água, o que se transforma em leitura da vazão referente mais exata na medição. “É importante lembrar que estes equipamentos podem trabalhar tanto estando ligado diretamente na energia ou também, via bateria de lítio, ficando a operação opcional ao cliente”, explica Gustavo, dando enfoque de que este tipo de equipamento já vem sendo utilizado para medição de consumidores de alto volume pelas companhias de água que operam em cidades como Cuiabá, Minas e São Paulo.

 De acordo com o engenheiro Cristovam Filho, responsável pelo setor de Desenvolvimento e Controle Operacional da CAEMA, este tipo de equipamento por estímulo aplicados à medição de grandes consumidores poderá, na realidade local, ajustar fornecimento, consumo e cobrança junto a grandes consumidores, como indústria e principalmente condomínios de grande porte, além de contribuir para combater desperdício junto a esta faixa. “A CAEMA deve sempre pensar em medir com a maior confiança possível e de forma justa para ambos os lados, isso também influenciará, de certa forma, principalmente em condomínios, um uso mais racional preservando a vazão e o recurso para todos”, diz.

Cristovam explica ainda que, com este pensamento, a CAEMA já vem realizando investimentos no sentido de diminuir grandes perdas e dar maior confiabilidade à distribuição e ao uso da vazão de água tratada. Neste sentido, a Companhia adquiriu e implantou, ainda no ano passado, 22 macromedidores com telemetria.  Este tipo de aparelho é responsável por enviar, em tempo real, informações sobre a vazão e a pressão do volume de água destinada para cada zona de abastecimento da capital.

“Este suporte com geração e envio dados a partir dos pontos de macromedição permite agilizar ações no combate a problemas de desabastecimento, quer sejam eles, originado por diversos fatores, como por exemplo, uma possível despressurização nas redes em algumas localidades. Além disso, os aparelhos macromedidores também contribuem largamente para a utilização da vazão e volumes de água de forma mais eficaz, ajudando inclusive no combate a perdas por área bastecida”.