Webmail

Caema e Governo do Maranhão ampliaram coleta de esgoto em São Luís

 

O resultado é fruto de investimentos estratégicos feitos pelo Governo do Estado para alavancar os índices do saneamento básico na capital. Os recursos destinados para esta finalidade somam mais de R$ 320 milhões em obras para ampliar as redes de coleta de esgoto, construir novos equipamentos para tratar os efluentes e, também, realizar adequações para melhoria das estações de tratamento de esgoto que já operavam junto aos quatro grandes Sistemas de tratamento existentes na ilha.

As obras do Mais Saneamento são executadas pela Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) e já permitiram chegar a quase 15 km de linha de recalque, uma rede estruturada para bombeamento atuando nos trechos mais distantes ou elevados em relação às ETEs. Também já foram implantados 23,8 Km de interceptores para coleta e interligação entre redes, visando o trânsito dos volumes de esgoto.

Outra ação do programa foi a implantação mais 99,4 Km de novas redes coletoras na capital, o que resultou em 10.193 novas ligações domiciliares. “São Luís é atendida pela Caema a partir de quatro grandes Sistemas Coletores para tratamento do esgoto: o Sistema São Francisco, Sistema Bacanga, Sistema Vinhais e Sistema Anil. Todos eles receberam algum tipo de intervenção ou obra visando aumentar a coleta e tratar adequadamente os efluentes. Entre eles, há um destaque especial para o Sistema Vinhais, por conta da ETE Vinhais e, também, para o Sistema Anil, que em breve irá tratar todo o esgoto gerado à margem direita do Rio Bacanga pela ETE Anil”, explica o presidente da Caema, André dos Santos Paula.

A construção da Estação de Tratamento de Esgoto do Anil está em fase de conclusão. A ela, somam-se 12 Estações Elevatórias de Esgoto (EEE), 4,2 km de linha de recalque, 5,8 km de interceptores, 46,6 km de rede e aproximadamente cinco mil novas ligações prediais, para o recebimento de todo o esgoto doméstico produzido por mais 52.200 moradores de 17 grandes bairros da capital compreendidos na margem esquerda do Rio Anil.

O diretor de Operação, Manutenção e Atendimento ao Cliente, engº. Carlos Rogério Araújo, pontua que 100% do volume de esgoto que chega até as ETEs da capital são tratados e que as obras em curso são exatamente para interceptar os esgotos para tratamento nas estações. “Há trechos de rede coletora que ainda estão em término da implantação, para que passem a levar estes volumes produzidos direto para as estações. Em outros a rede já opera, como é o caso do Olho d’Água, bairro que, só agora, com estes investimentos feitos pelo Governo, passa a contar com sistema de coleta de esgoto sanitário”, destaca Carlos Rogério.

O projeto do Sistema Vinhais contempla 10 Estações Elevatórias de Esgoto, 8.7 km de linha de recalque, 29 km de interceptores, 148 km de redes coletoras e 28 mil novas ligações prediais, para tratamento na ETE Vinhais. Pelo Sistema São Francisco, são 9 Estações Elevatórias de Esgoto, 1,6 km de linha de recalque, quase 2km de interceptores e 21,9 km de redes com 1.394 ligações, para tratamento na ETE Jaracati. Já no Sistema Bacanga, 5 Estações Elevatórias de Esgoto, 2,2 Km de linha de recalque, 11 km de interceptores e 5.295 ligações integrada aos 51,4 km de redes destinam efluentes para a ETE Bacanga.

Capacitação

Além das obras, a Caema também tem investido na otimização da operação das ETEs com uma série de capacitações ministradas aos operadores e outros funcionários da Companhia. São treinamentos técnicos ministrados continuadamente por profissionais gabaritados nesse tipo de atividade.

Audiências

Estas e outras informações relevantes foram expostas, na manhã da última quarta-feira (23), ao juiz Douglas de Melo Martins, titular da Vara de Direitos Difusos e Coletivos da comarca de São Luís, e ao promotor do Meio Ambiente, Fernando Barreto. Esta foi a terceira audiência junto à Vara de Interesses Difusos e Coletivos da Comarca da ilha de São Luís para debater o funcionamento das Estações de Tratamento de Esgoto. Durante a audiência, o presidente da Caema, André dos Santos Paula, reforçou os resultados alcançados e o compromisso da Companhia em melhorar continuamente os serviços de saneamento, em especial a coleta e tratamento de esgoto para a capital.

“Nós tivemos a oportunidade de demonstrar as dificuldades para a prestação deste tipo de serviço, mas sobretudo, reiterar o compromisso assumido pelo Governo do Estado de buscar a melhoria dos índices de coleta e tratamento em São Luís, bem como as condições de vida da população, por meio da prestação deste trabalho desenvolvido a partir das ações da Caema”, comentou o presidente.

Ele reforçou ainda que todas as estações de esgoto estão funcionando dentro das normas estabelecidos por lei (Conama430/11) e a eficiência do tratamento das estações atendem aos padrões exigidos. Um novo debate sobre este assunto deverá ocorrer no próximo mês, com a participação da Caema, da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Naturais, e do Município de São Luís. Na oportunidade, deverá ser apresentado pela Caema um cronograma com medidas de curto, médio e longo prazo para aumentar ainda mais a qualidade do serviço de coleta e tratamento de esgoto prestado à população.

O promotor de Justiça do Meio Ambiente, Fernando Barreto, salientou a importância deste tipo de audiência e o fato do compromisso assumido pelo presidente da Caema em apresentar o cronograma para conclusão das principais obras que vão resultar na melhoria do tratamento de esgotos da ilha de São Luís.