Webmail

Caema e Sedihpop discutem contratação de refugiados

No mês de janeiro, a Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (CAEMA) e a Secretaria de estado de Direitos Humanos e Participação Popular (Sedihpop) reuniram-se para tratar de recrutamento de refugiados. O encontro aconteceu com a presença da gerente de Suporte Administrativo da CAEMA, Edna Portela, juntamente com o assessor da presidência, Cleison Gomes, e os representantes da Sedihpop, Pedro Maciel e Airton Ferreira.

O recrutamento é direcionado para refugiados com mão de obra qualificada. O processo será organizado pela SEDIHPOP e os candidatos são remanejados para as vagas que estiverem em aberto nas empresas que prestam serviço à Caema.

Acesso ao mercado de trabalho

O coordenador das Ações de Combate ao Tráfico de Pessoas e ao Trabalho Escravo da SEDIHPOP, Pedro Maciel, apontou que os refugiados presentes no estado, entre pessoas indígenas e não-indígenas, em grande parte, são venezuelanos que fugiram de uma situação de vulnerabilidade socioeconômica em seu país de origem. Então, para evitar que continuem passando por problemas de instabilidade social e econômica, a secretaria fez parceria com a Caema no intuito de oferecer oportunidades de emprego para quem se encontra em situação de refúgio.

“O Governo do Estado visa trabalhar em rede tanto com empresas privadas quanto com os órgãos do próprio governo para construir uma política que atenda às necessidades das pessoas refugiadas. Uma das pautas importantes nessa questão é o acesso ao mercado de trabalho. Recentemente, houve a parceria entre a Caema e a Sedihpop, onde a Companhia ofertou vagas para pessoas em situação de refúgio da Venezuela. Em reunião realizada, ficou acordado que a Sedihpop faria essa mediação, comunicando-os da abertura das vagas e encaminhando o currículo deles para que houvesse a avaliação e a seleção para entrevista na Caema”, pontuou Pedro.

Este foi o primeiro passo para realizar ações efetivas que visem a inserção de refugiados no mercado de trabalho. O primeiro fruto dessa parceria foi o emprego de vigilante na Caema do refugiado venezuelano Joel Jesus Melendez. No Brasil há um pouco mais de 1 ano e no Maranhão há 7 meses, ele espera cooperar para o crescimento do país e do estado por meio da sua mão de obra. “Esta parceria é muito boa para oportunidades de emprego e eu tenho muito conhecimento para contribuir com este país. Espero dar o meu melhor”, afirmou Melendez.

Pedro Maciel ainda reiterou que há muito a ser feito, como expandir a parceria realizada com a Caema para outras instituições. “Essa prática é importante porque demonstra o compromisso e o interesse do governo do Estado, bem como de outras empresas, em colaborar para que estas pessoas tenham acesso ao mercado de trabalho, para que elas tenham condições mínimas de existência e de vida para que possam, em uma realidade completamente distante das que estão acostumadas, viverem de maneira digna”, finalizou.

Edna Portela, gerente de suporte administrativo da CAEMA, destacou a importância da parceria para promover o acesso ao mercado de trabalho entre pessoas refugiadas no Maranhão. "A CAEMA vem mantendo esta parceria e nesse momento, iniciamos uma frente com a SEDIHPOP no recrutamento de mão de obra refugiada para atuarem junto às empresas prestadoras de serviços da Caema. É muito importante pela responsabilidade social e dignidade humana, na busca de proporcionar a essas pessoas uma oportunidade de recomeço", disse.